O que é a Neuroterapia

O que é a Neuroterapia?
A Neuroterapia consiste na utilização terapêutica de diferentes estratégias de Neurofeedback, com o objectivo de diminuir os sintomas resultantes de disfunção do Sistema Nervoso Central. É uma forma de tratamento não farmacológica, não invasiva, sem efeitos secundários, eficaz numa grande variedade de condições médicas e psicológicas de base neurológica.

Tal como os computadores, o cérebro transmite pequenos impulsos eléctricos. Através de uma avaliação que inclua o registo dessas ondas (Electroencefalograma - EEG), é possível verificar se existem alterações ao padrão de funcionamento cerebral e nesse caso recorrer à Neuroterapia para corrigir o padrão e alcançar níveis de desempenho mais satisfatórios.

História da Neuroterapia

  • 1958 -
    Descoberta da técnica de Neurofeedback por Joe Kamiya na Universidade de Chicago. A investigação abrangeu uma população de estudantes, onde foram identificadas as ondas geradas pelo próprio cérebro com base no feedback dado verbalmente
  • 1965 -
    Thomas Budzynski surge com uma versão aperfeiçoada do dispositivo, que já transmitia sonoramente o sinal de feedback no momento do predomínio das ondas alfa, demonstrando ser possível aprender a controlar conscientemente a actividade do cérebro.
  • 1974 -
    Barry Sterman na Universidade de Chicago, desenvolve outra linha de investigação, cujos estudos demonstraram ser possível diminuir a frequência e intensidade dos ataques epilépticos através do Neurofeedback.
  • 1989 -
    Recurso ao Electroencefalograma Quantitativo (EEGq) por El Roy e Tacher para a criação de bases de dados normativos aplicáveis no âmbito clínico, aplicadas ao estudo do Traumatismo Crânio-Encefálico.
  • 2005
    Jay Gunkleman tem vindo a desenvolver importantes protocolos clínicos com base na informação obtida através de grandes bases de dados, promovendo o conhecimento acerca da relação entre os mapas de EEGq e o funcionamento neuronal.

Intervenção em Neuroterapia

  • A automatização e modernização do nosso modelo de trabalho, através da Psicometria Computorizada, permite o conhecimento imediato dos resultados dos testes Psicológicos e Neuropsicológicos. Estes dados quando cruzados com a informação obtida através do EEGq e HEG tornam o diagnóstico robusto e a decisão sobre o protocolo a seguir na terapia uma decisão consciente e fundamentada optimizando a eficácia e acelerando a resolução.
  • SESSÃO DE NEUROTERAPIA:Durante a sessão permanecerá sentado e confortável. Pode ficar de olhos fechados, abertos, acompanhar um filme, jogar numa consola ou efectuar uma tarefa.
    Serão colocados sensores no couro cabeludo e orelhas que transmitirão informação que é convertida em sinais de feedback através de um software próprio.
    Recorrendo ao feedback sonoro, electromagnético, táctil ou visual é realizado um processo de condicionamento operante dos parâmetros cerebrais, promovendo a oxigenação e regulando a actividade do cérebro de acordo com o padrão desejado.
    Os parâmetros a modificar bem como a localização e colocação dos sensores, é única para cada pessoa e determinada pela avaliação.

* Glossário

  • Sessão de Neuroterapia
    X

    Sessão de Neuroterapia

    Durante a sessão de Neuroterapia permanecerá sentado, confortável. Pode ficar de olhos fechados, abertos, acompanhar um filme, jogar numa consola ou efectuar uma tarefa, dependendo da sessão. Com o auxílio de um gel condutor serão colocados sensores no seu couro cabeludo e orelhas. O sinal obtido é processado por computador e a informação é convertida em sinais de feedback através de um software próprio. Recorrendo ao feedback sonoro, electromagnético , táctil, visual (a maior parte das vezes a informação é apresentada sob a forma de jogo de computador) é levado a cabo um processo de condicionamento operante dos parâmetros cerebrais promovendo a oxigenação e regulando a actividade do cérebro de acordo com o padrão desejado. Os parâmetros a modificar bem como a localização específica de colocação dos sensores, é única para cada pessoa e determinada pela avaliação.

  • Avaliação Neuropsicológica
    X

    Avaliação Neuropsicológica

    Tem como objectivo identificar que componentes das actividades cognitiva complexas (ex. atenção, memória e funções executivas) não apresentam um funcionamento adequado, determinar a severidade do défice por comparação com a norma (maioria das pessoas da mesma idade e género) e inferir sobre as estruturas cerebrais comprometidas ou subdesenvolvidas.

  • Avaliação Neurométrica
    X

    Avaliaçao Neurométrica

    Cruza a informação da Avaliação Neuropsicológica com a informção do Electroencefalograma Quantitativo de forma a aferir quais as estruturas cerebrais comprometidas ou subdesenvolvidas bem como quais os procesos do funcionamento cerebral que se encontram desfasados da norma.

  • Electroencefalograma
    X

    Electroencefalograma

    O electroencefalograma (EEG), é o registo gráfico da actividade eléctrica produzida pelos neurónios na condução dos impulsos e realiza-se através de sensores colocados no couro cabeludo. No EEG é possível verificar as áreas com actividade mais lenta e aquelas com actividade mais rápida, bem como a relação entre diferentes áreas. Esta informação surge sob a forma de actividade rítmica dividida em bandas de frequência que assumem as seguintes designações: delta, teta, alfa e beta. As ondas delta são as mais lentas (frequências entre 0,5 e 3,5Hz), apresentando no entanto a maior amplitude. Estas ondas são frequentemente associadas ao estado de sono no adulto, sendo também comummente detectadas nos bebés. As ondas teta, de frequências entre os 4 e os 8Hz, são características dos estados de meditação, sonolência, indolência e apatia nos adultos, estando também presentes em crianças. Em níveis muito lentos, a actividade das ondas teta está associada ao relaxamento, representando o limite entre o acordar e o dormir. As ondas alfa são largas e lentas (frequências entre 8 e 12Hz), estando associadas ao estado de relaxamento e reflexão, bem como ao acto de fechar os olhos. Por último, as ondas beta são de baixa amplitude e de frequência elevada (entre os 13 e 30Hz), estando associadas à actividade intelectual e concentração a um estado de alerta, níveis muito elevados relacionam-se também com estados ansiosos. Quanto maior o número de ciclos por segundo, ou seja, quanto maior a frequência e velocidade das ondas, maiores é o consumo de oxigénio e nutrientes.

  • Hemoencafalograma
    X

    Hemoencefalograma

    Consiste na medição do fluxo sanguíneo em determinados locais do cérebro, desta forma permite conhecer as zonas com maior e menor fluxo sanguíneo. Encontra semelhanças com a ressonância nuclear magnética funcional (RNMf).

  • Mapa Cerebral
    X

    Electroencefalograma quantitativo

    “Todos os estados de alerta consciente estão associados a um padrão específico de actividade cerebral”
    O estudo do EEG de grandes amostras da população permitiu definir padrões específicos para o funcionamento optimizado e para a disfunção (criação de normas), desta forma o EEG individual pode ser comparado com a norma (maioria das pessoas da mesma idade, género…) e ser situado no contínuo funcional-disfuncional, verificando-se o desvio à norma e determinando a severidade do mesmo.

Âmbitos de Acção

  • Superação das Limitações
    Quem sofre de sintomas causados por uma perturbação do funcionamento cerebral.
  • Manutenção das Competências
    Quem procura fazer a manutenção das funções cognitivas no decurso do envelhecimento.
  • Optimização do Desempenho
    Quem pretende aumentar o potencial cerebral, a imunidade ao stress e a produtividade.

testemunhos em vídeo

Testemunho de Psiquiatras
"O Neurofeedback é aplicável em quase todos os casos, e constitui uma terapêutica mais natural e mais orientada para a saúde, aplicada no sentido de optimizar as funções cerebrais"
Testemunhos de Médicos
“O Neurofeedback tendo sido incluído como um dos elementos da abordagem Bio-médica integrativa, revelou ser de todos o que maior impacto teve ao nível da rapidez e do impacto dos resultados obtidos com crianças autistas, tendo-se verificado melhorias em todos os domínios, nomeadamente: linguagem, contacto ocular e socialização” (...)
"O Neurofeedback é uma modalidade que incorporada numa abordagem multidisciplinar faz uma enorme diferença para os pacientes, tendo-se revelado muito útil para uma percentagem elevada de pacientes com dor crónica"